"[...]mas faz-nos esboçar uma realidade supra-sensível compatível com o uso experimental da nossa razão. Sem uma tal precaução, não saberíamos fazer o mínimo uso de semelhante conceito e deliraríamos ao invés de pensarmos.[...]"

06
Nov 08

Esta eleição marca o momento em que o eleitorado americano basculou. Os republicanos têm uma base homogénea, que se tornou minoritária, e vão passar por uma enorme travessia no deserto para arranjar maneira de crescer a partir daí, uma vez que alienaram tudo o que tinham à volta da sua própria bolha branca e conservadora. A coligação de minorias dos democratas (minorias étnicas e raciais, pobres e universitários, gays e operários, gente sem seguro de saúde e empresários de Sillicon Valley) tornou-se uma maioria.

 

Rui Tavares foca, neste excerto sobre as minorias de Obama, um aspecto que me parece essencial no sentido em que aponta, explicitamente, as bases de ruptura desta vitória - a conjunção disjuntiva de minorias que perfazem uma maioria (numérica) não abrindo mão das suas singularidades constitutivas. Também aqui abre um caminho e, por isso, possa ser tomada como a primeira vitória eleitoral do séc. XXI.

escrito por José Carlos Cardoso às 23:51

Janeiro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2

3
4
5
6
7
8
9

10
11
12
13
14
15
16

17
18
19
20
21
22
23

24
25
26
27
28
29
30

31


textos recentes

Passo a citar

eu, imagem
seguir os sinais
 
blogs SAPO