"[...]mas faz-nos esboçar uma realidade supra-sensível compatível com o uso experimental da nossa razão. Sem uma tal precaução, não saberíamos fazer o mínimo uso de semelhante conceito e deliraríamos ao invés de pensarmos.[...]"

14
Jul 08

 Já regressado de Vila do Conde não posso deixar de tentar esboçar sentidos de algumas imagens que, de alguma maneira, resistem. Como sou guloso saboreio bastante antes de engolir (ou a maneira de funcionar do espírito ruminante segundo Nietzsche). 

O festival acabou com um objecto cinematográfico absolutamente contemporâneo. Je veux voir de Joana Hadjithomas e Khalil Joreige nasce de "um sentimento de urgência", tempo vertical à procura de imagens que o consigam absorver. Numa entrevista a Claire Vassé os cineastas questionam-se que fazer e como face às "imagens espectaculares da televisão", paradoxalmente irreais e com um efeito calmante e anestésico*, que imagens para tal realidade (a devastação provocada pela guerra), que imagens para uma coisa que está aqui, que entra por nós adentro e que, ao mesmo tempo, é inapreensível e inapropriável?

Deneuve diz que não sabe se vai "entender alguma coisa, mas quer ver". O tour de force feito neste filme que se constitui em pôr o outro no coração do real (a ficção como único acesso possível a uma imagem real), dar a ver com e através do outro, dota o filme, no extremo limite da ficção e para lá de toda a pretensão realista, de uma realidade que de tão distante pertence a todos nós. Face à apaziguadora neutralidade das imagens televisivas que dão conta da realidade, querer ver nos olhos do outro.

Aquilo que se quis ver, a urgência de outros olhos (os olhos do mundo) está nas imagens finais, na "partilha de sensibilidade" entre Catherine e Rabih, na possibilidade dessa partilha, no olhar como possibilidade.  

 

*José Gil, no congresso internacional Culturas, Metáforas e Mestiçagens (Évora, Maio de 2004), no qual também participei, pensou de forma tão urgente como genial as condições da experiência real da recepção das imagens de guerra. Infelizmente ainda inédito.

escrito por José Carlos Cardoso às 19:19
sinais: ,

Julho 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5

6
7
8
9
11
12

13
17
18
19

20
21
23
24
26

27
30
31


eu, imagem
seguir os sinais
 
blogs SAPO