"[...]mas faz-nos esboçar uma realidade supra-sensível compatível com o uso experimental da nossa razão. Sem uma tal precaução, não saberíamos fazer o mínimo uso de semelhante conceito e deliraríamos ao invés de pensarmos.[...]"

19
Nov 08

Se alguém fosse até aos limites extremos do universo e daí atirasse uma flecha, este projéctil, arremessado com força, voaria longe numa dada direcção, ou julgas que pode encontrar obstáculo que suspenda o seu itinerário? (...) Tanto faz. Quer a flecha encontre um obstáculo e não possa ir cravar-se no seu alvo, quer ela tenha campo livre, o ponto onde foi lançada não pode ser o limite do universo. Com este argumento, perseguir-te-ei sem descanso. Onde quer que tu apontes um limite definitivo, eu perguntar-te-ei o que acontece à flecha.

De rerum natura, Livro I, 969-982

 

escrito por José Carlos Cardoso às 23:20
sinais:

Novembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
11
15

16
17
20
21
22

23
24
29



eu, imagem
seguir os sinais
 
blogs SAPO